ALIMENTAÇÃO E ANSIEDADE :: UMA RELAÇÃO DOS NOSSOS DIAS

De acordo com um estudo do Lisbon Institute of Global Health, em Portugal, a prevalência de problemas de saúde mental como a ansiedade crónica e a depressão aumentou em mais de 10%, no espaço de sete anos, afectando cerca de 30% da população portuguesa.

Em boa verdade, a ansiedade crónica é uma condição cada vez mais presente, estando muitas vezes associada à sobrecarga profissional, emocional e pessoal que comanda o dia-a-dia de tantas pessoas.

Uma das principais consequências da ansiedade crónica e da privação do sono, que geralmente lhe está associada, é a obesidade. E como se explica esta relação? Por um lado, nestas condições, é desencadeada uma cascata de alterações hormonais que promove uma maior deposição de gordura corporal, retenção de líquidos e aumento de apetite. Por outro lado, e de forma mais importante, as pessoas ansiosas tendem a desenvolver episódios de compulsão alimentar como mecanismo de escape, isto é, para encontrar algum prazer e conforto, que, ao mesmo tempo, as distraia dos verdadeiros problemas subjacentes a estes episódios. Na prática clínica, qualquer nutricionista ouve, com alguma frequência “Eu não como porque tenho fome, mas porque estou ansioso(a)”.

Uma alimentação equilibrada é essencial na prevenção da ansiedade crónica e é também por esta via que podemos auxiliar a reverter as alterações físicas e psicológicas que dela resultam. Vejamos como:

1 - Opte por seguir uma alimentação completa, de acordo com os princípios da Nova Roda dos Alimentos, fazendo também várias refeições por dia e evitando períodos de jejum muito prolongados.

2 - Não siga dietas com grandes restrições em hidratos de carbono complexos, dos quais são as principais fontes o arroz, a massa, o pão, a batata, etc.

3-  Consuma, diariamente, carne ou peixe, dando preferência ao último e sem esquecer o consumo de peixe rico em ácidos-gordos ómega-3, como o salmão, a sardinha, o atum, o arenque ou a cavala.

4-  Pela sua maior riqueza nutricional, prefira o pão e os cereais integrais. Em relação aos últimos, rejeite as versões açucaradas.

5-  Consuma, diariamente, uma boa variedade de hortícolas e frutas, privilegiando as frutas cítricas, a banana e os hortícolas verdes. Poderá ser importante ter disponíveis, em casa, saladas preparadas, legumes e sopa congelados, que permitam, de uma forma rápida, criar refeições completas e saudáveis.

6- Procure integrar na sua alimentação as leguminosas (feijão, lentilhas, grão, ervilhas, favas), bem como, a castanha, as sementes e os frutos oleaginosos (amêndoa, amendoim, noz).

7 - Consuma, todos os dias, leite e derivados. Se for intolerante à lactose, poderá optar pelo iogurte ou queijo.

8 - Evite as confeções mais pesadas e o uso excessivo de gorduras.

9 - Evite o consumo de álcool, de bebidas estimulantes, açucaradas e gaseificadas.

10-  Procure manter um ambiente relaxado à hora das refeições e sente-se à mesa. Não crie hábitos de petiscar durante o dia, pois perderá a noção da quantidade de alimentos que ingere. Um bocadinho todos os dias faz muita diferença no final da semana e do mês.

A par da alimentação, que é apenas uma das armas utilizadas no combate à ansiedade, será importante, também, pararmos um pouco para refletir sobre o ritmo que nos impomos e procurar, dentro daquilo que são as nossas responsabilidades, encontrar um equilíbrio físico e psicológico. Neste sentido, será necessário tomar medidas e alterar hábitos enraizados, através da prática de actividade física, participação ou criação de actividades que promovam a partilha de ideias e a conversação e, sempre que necessário, procura de ajuda profissional.

Contrariar o ritmo de vida que a sociedade actual nos vai impondo e ultrapassar os obstáculos que todos os dias vão surgindo está longe de ser uma tarefa fácil, mas desta mudança depende o crescimento saudável das crianças e o envelhecimento salutar dos adultos. As mudanças podem ser difíceis, mas não são impossíveis de concretizar e, tal como Salvador Sobral cantou ao Mundo, talvez devagarinho, possamos voltar a aprender.

DR:Blog NutripontoCome

DR:Blog NutripontoCome

ARTIGOS SIMILARES

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta