BRANDA DA AVELEIRA E CASTRO LABOREIRO SÃO AS ÚNICAS CANDIDATAS NO NORTE DE PORTUGAL, NA CATEGORIA DE ALDEIAS REMOTAS

MELGAÇO

melgaço branda aveleira

Branda da Aveleira

Melgaço recebe a 30 de julho a Gala das 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias. O Município Mais a Norte de Portugal tem duas aldeias a concurso: Branda da Aveleira e Castro Laboreiro, as únicas candidatas no Norte de Portugal, na categoria de Aldeias Remotas. Serão 7 Galas eliminatórias por categoria e 49 aldeias a concurso. Branda da Aveleira foi o local escolhido para acolher a Gala que mostrará as potencialidades das aldeias melgacenses: ‘Um património valioso e diferenciador, repleto de tradições e costumes ancestrais’, considera o autarca Manoel Batista.

 Em cada Gala estará uma categoria a votação: são 49 aldeias a concurso, divididas em 7 categorias (7 aldeias por categoria). Os portugueses poderão votar na sua aldeia favorita durante o decorrer da gala, através de um telefonema para um número a designar minutos após o início da Gala. As Galas serão emitidas em direto pela RTP todos os domingos de julho e agosto, a partir das 21h e durante cerca de duas horas. A primeira Gala é no dia 9 de julho, em Santa Clara a Velha (Aldeias Ribeirinhas); segue-se Paderne (Aldeias Rurais) a 16 de julho; Azenhas do Mar (Aldeias de Mar) a 23 de julho; Branda da Aveleira (Aldeias Remotas) a 30 de julho; Podence (Aldeias Autênticas) a 6 de agosto; Monsanto (Aldeias Monumento) a 13 de agosto; e a 20 de agosto nos Açores (Aldeias em Áreas Protegidas), em Porto Martins, na ilha Terceira. A 27 de agosto a RTP emite um programa de best of, sobre as 14 finalistas apuradas nas Galas anteriores, e começa uma semana inteira de votação, até ao domingo seguinte. As 7 eleitas são conhecidas a 3 de setembro, no Piódão, na Declaração Oficial das 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias.

 As performances artísticas das Galas vão retratar, de forma abstrata, as vivências, a diversidade, a essência, a beleza e orgulho pelo território português. ‘Estas Galas vão viver de um grande trabalho audiovisual, desenvolvido no último mês e meio, com peças de três minutos sobre 49 aldeias de Portugal Continental e ilhas, e de momentos artísticos de grande qualidade, com uma componente cénica adaptada a cada região do país’, considera Luís Segadães, presidente das 7 Maravilhas.

7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias

As candidatas a 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias são organizadas em 7 categorias e as 7 vencedoras serão apuradas pelo maior número de votos, uma por categoria, não podendo ser eleitas mais do que três aldeias por região. As categorias são: Aldeias-Monumento; Aldeias de Mar; Aldeias Ribeirinhas; Aldeias Rurais; Aldeias Remotas; Aldeias Autênticas; e Aldeias em Áreas Protegidas.

Todo o processo de eleição das 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias será auditado pela empresa internacional de auditores PwC.

O projeto conta com o apoio institucional do Gabinete do Ministro Adjunto, do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, da Secretária de Estado do Turismo, da Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Turismo de Portugal, da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, do Centro Nacional de Cultura, do Instituto de História Contemporânea, da Federação Minha Terra, e da Associação Portugal Genial.

 Recorde-se que Melgaço concorreu com três aldeias, em várias categorias: Branda da Aveleira – Aldeia Remota e Aldeias Autênticas, Castro Laboreiro – Aldeia Remota e Aldeias em áreas protegidas –  e Parada do Monte – Aldeias autênticas e Aldeias rurais. Foram apresentadas 446 candidaturas de 332 aldeias das 7 Regiões do país.

BRANDA DA AVELEIRA situa-se à entrada do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), nas encostas da serra da Peneda, a cerca de 1100 m de altitude, onde são ainda visíveis os vestígios da era glaciar (Glaciação de Wurm).

Desde o século XII, que os brandeiros da Gave sobem com os rebanhos para os pastos desta Branda, libertando os terrenos mais baixos para o cultivo agrícola. Permaneciam na montanha durante todo o verão, só descendo até à povoação (5 Km) para levarem mantimentos, facto que explica o isolamento destes pastores.

Classificada como ‘Aldeia de Portugal’ pela Associação de Turismo de Aldeia (ATA), representa a tipicidade da região e o ‘modus vivendi’ de uma época. Para além da beleza da paisagem e do conjunto arquitetónico que a define, a aldeia é o testemunho de uma tradição agrícola e cultural de grande valor antropológico, que a torna tão especial e singular. É constituída por um conjunto de 80 casas rústicas e cardenhas de grande beleza e tipicismo, algumas, recuperadas para turismo.

A fauna e a flora no seu estado mais puro coexistem com os brandeiros que se dedicam à pastorícia (gado bovino e cavalar), à recolha dos fenos e à apicultura, e aos turistas que podem desfrutar da diversidade paisagística, trilhos pedestres, megalitismo, festas populares, cascatas de águas límpidas e deliciarem-se com a gastronomia típica.

CASTRO LABOREIRO pertence ao concelho de Melgaço e situa-se no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Possui um dos mais ricos patrimónios pré-históricos do país que reúne gravuras e pinturas rupestres, 120 Dólmenes (datados de há 5000 anos) e Cistas (monumentos megalíticos funerários).

Esta aldeia possui um património histórico e arquitetónico de grande riqueza, destacando-se um tipo próprio de construções castrejas existentes em Castro Laboreiro: o Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional; a Igreja Matriz de Castro Laboreiro; o Pelourinho de Castro Laboreiro, datado do século XVI, classificado como imóvel de interesse público; igrejas medievais; os fornos comunitários; os espigueiros; e os moinhos.

Castro Laboreiro é uma das aldeias mais emblemáticas do Parque Nacional da Peneda Gerês, resultado do isolamento que sofreu no passado, o qual permitiu que chegassem intactos nos nossos dias, aspetos do património histórico e cultural da aldeia, como a arquitetura, a paisagem e o modo de vida das suas gentes, ainda hoje marcado por um forte espírito comunitário.

Situada no extremo Norte do Alto Minho e de Portugal. Está localizada no cimo da montanha, a mais de mil metros de altitude, levou a que os castrejos defendessem os seus costumes, e tradições de todas as influências estranhas, e que ainda hoje persistem. Uma dessas tradições é a das inverneiras e das brandas. Em meados de Dezembro, com a chegada do frio e dos nevões, as populações de Castro Laboreiro pegam nas suas roupas, utensílios caseiros e de lavoura e ‘tangendo o gado, migram em massa para os vales, onde possuem uma segunda casa e uma segunda aldeia.’ (Rocha, 1993, p. 127). E ficam nas Inverneira, abrigados do frio, até meados de março.

No Núcleo Museológico de Castro Laboreiro é possível conhecer os hábitos, costumes e tradições das gentes da terra. Terra das ‘viúvas dos vivos’, nome a que os seus habitantes davam às mulheres cujos maridos, filhos e netos emigravam em busca de condições de vida melhores.

É uma região de grande beleza, serpenteada pelo rio Laboreiro, que é atravessado por inúmeras pontes representativas das épocas romana ou medieval, das quais sobressaem a Ponte da Dorna, a Ponte da Capela, a Ponte Nova ou da Cava Velha e a Ponte Velha.

Castro Laboreiro é também conhecido pelo seu fumeiro e enchidos, confecionados de forma tradicional, por mãos hábeis e com o saber de anos e anos.

O guardião desta localidade é o Cão de Castro Laboreiro, defendendo o gado do grande predador, o Lobo Ibérico, conhecido pela sua rusticidade, caráter e nobreza desde tempos idos.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta