LA CHAMBRE VIDE, CIDADE PEQUENA E TARRAFAL VENCEM O PRÉMIO JEAN LOUP PASSEK

0 173
La Chambre Vide (O quarto vazio), de Jasna Krajinovic, Cidade Pequena, de Diogo Costa Amarante, e Tarrafal, de Pedro Neves são os vencedores do Prémio Jean Loup Passek, atribuído durante a 4ª edição de FILMES DO HOMEM – Festival Internacional de Documentário de Melgaço. Este ano o júri era composto pelo cineclubista André de Oliveira e Sousa, pelas realizadoras Graça Castanheira e Iris Zaki, pelo produtor e realizador Rodrigo Areias e pelo programador Brasileiro, membro da academia internacional de Cinema, Sérgio Rizzo.
O filme La Chambre Vide, de Jasna Krajinovic, que arrecadou o prémio para a Melhor Longa-Metragem Internacional, retrata Saliha, cujo filho Sabri partiu abruptamente um dia para a Síria para fazer a Jihad. Três meses depois, Saliha, o marido e os filhos foram informados da sua morte. O júri destacou o documentário pela “temática atual e relevante, retratando uma ausência dolorosa. Narrativamente, a realizadora foi capaz de intercalar as esferas do público e do privado, da mesma forma que conjuga a palavra com momentos de silêncio, que deixam espaço ao espectador para respirar e refletir.”
Depois de um percurso irrepreensível por festivais internacionais, incluindo o Berlinale onde venceu o urso de ouro na categoria de Curta-Metragem Internacional, Diogo Costa Amarante também convenceu o júri do prémio Jean Loup Passek com o filme Cidade Pequena, no qual regressa ao tema dos afetos e memórias familiares. Destaca-se assim, nas palavras do júri, “um filme peculiar que desafia a fronteira entre documental e ficção, refletindo sobre a infância e a morte... As dimensões sonoras e visuais são conjugadas através de uma montagem poética que contribui para um ambiente imersivo que envolve o espectador.”
Entre todos os filmes a concurso com realização ou produção Portuguesa, destacou-se o documentário Tarrafal, de Pedro Neves, como vencedor na categoria de Melhor Filme Português. A longa-metragem proporciona um olhar sobre o Bairro São João de Deus através das memórias das pessoas que o habitavam. O júri destaca a capacidade do realizador para apresentar “o retrato de uma memória geográfica e afetiva. Através das ruínas de um lugar, o realizador foi capaz de se aproximar das pessoas e de despertar as memórias e a nostalgia de um passado, revelando a identidade de uma comunidade desagregada.”
A 4ª edição do festival de documentário de Melgaço FILMES DO HOMEM encerra esta noite com a projeção ao ar-livre na Torre de Melgaço do filme convidado “Castro Laboreiro”, de Ricardo Costa.
O FILMES DO HOMEM - Festival Internacional de Documentário de Melgaço é organizado pela Câmara Municipal de Melgaço em parceria com a AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual, e pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir sobre identidade, memória e fronteira e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta