Monção recebe os melhores vinhos brancos de Portugal e da Europa

Este sábado e domingo, dias 21 e 22, a primeira edição de “Monção & Melgaço – The White Experience” transforma o Parque das Caldas – junto às Muralhas e ao Rio Minho –, em Monção, numa sala de provas de vinhos brancos da Região dos Vinhos Verdes, de oito regiões demarcadas portuguesas e de oito produtores europeus convidados, representando regiões como Borgonha, Sancerre, Alsácia, Mosel.

Organizada pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), a primeira edição daquela experiência internacional decorre no território berço da nobre casta Alvarinho – a sub-Região de Monção e Melgaço -, sublinhando uma identidade muito própria, que dá origem a vinhos com forte carácter, graças às especificidades de clima e de solos, a par da emblemática casta Alvarinho.

O evento envolve também visitas a adegas de Monção e Melgaço, almoços vínicos, masterclasses, provas e conferências. Hoje à noite, acontece o Jantar de Gala em Melgaço.

Já ontem, em Monção, sucedeu um jantar jantar convívio preparado para potenciar o contacto entre imprensa e produtores, que registou a presença de cerca de oito dezenas de pessoas, incluindo autarcas dos dois concelhlhos da Sub-região e o presidente da CVRVV, Manuel Pinheiro.

AFIRMAR MONÇÃO E MELGAÇO

Foi, precisamente, com este que a VALE MAIS registou uma pequena entrevista em que este considerou ser fundamental afirmar Monção e Melgaço, dar-lhe CENTRALIDADE, como uma grade região dos vinhos brancos  e já NÃO TANTO PROMOVER a casta alvarinho.

Porqué agora este evento e objetivos que persegue?

O que estamos a fazer é juntar, em Monção e Melgaço, alguns dos melhores produtores de vinhos brancos de Portugal e da Europa e por estes vinhos, que todos eles fazem, à prova, lado a lado com os da nossa região.

O que vamos ver é, por um lado, a diversidade enorme de vinhos que há, mas também vamos perceber que os nossos vinhos estão perfeitamente à altura de serem provados, lado a lado, com outros vinhos.

É claro que temos aqui um objetivo muito grande de afirmação da Sub-região. Queremos dizer a Portugal e à Europa que Monção e Melgaço é um centro de excelência para a produção de vinhos brancos e, portanto, fazemos aqui este evento para trazer cá as pessoas de fora para elas se aperceberem e usarem a mensagem da importância que tem esta região da produção de grandes vinhos verdes.

Mas promovem-se outros vinhos brancos que não os da sub-região!

É verdade. Mas isso não nos preocupa assim muito. Porque, repare, a partir do momento em que as pessoas percebem que Monção e Melgaço há um evento que agrupa os melhores vinhos brancos da Europa, isso dá nome a Monção e Melgaço. Realmente nós é que vamos beneficiar da presença aqui destes vinhos de fora. Eles vem-nos ajudar. Nesse sentido é muito importante nós termos a exigência de trazer aqui os melhores. Porque qualquer jornalista, qualquer consumidor de outro ponto da Europa vai saber que em Monção e Melgaço se reuniram os melhores produtores de vinho branco. Portanto, Monção e Melgaço devem ter alguma coisa de especial. É essa CENTRALIDADE que queremos dar à sub-Região.

Como é organizar um evento deste envergadura, trazendo grandes produtores europeus?

É apaixonante organizar porque ninguém faz uma coisa assim. Não há em Portugal, nem em nenhum outro sítio um evento deste tipo. Trouxemos os produtores de fora com uma estratégia que foi…. fizemos uma lista de convidados dos que são os melhores vinhos brancos e, a cada um deles, dizemos que estamos a convidá-los, sim, mas também aqueles outros. Cada um deles, percebeu que o nível de exigência já era muito grande. E aceitaram.

A nível nacional, fizemos um bocadinho do mesmo. Numa forma e noutra, houve  investimentos para criar condições para ter boas zonas de prova, uma tenda fantástica, temos todas as condições para que o evento possa correr bem.

Muitos que vêm de fora também vêm com a curiosidade de conhecer os vinhos da Sub-Região. O que é muito importante.

As divergências entre Monção e Melgaço por via do acordo alvarinho parecem sanadas ou ainda há ”reminiscências”?

É evidente que o acordo do Alvarinho foi na altura um momento de grande emoção e em que se abriram grandes divergências. Mas hoje estamos numa nova fase. É fundamental afirmar Monção e Melgaço como uma grade região dos vinhos brancos  e já NÃO TANTO PROMOVER a casta alvarinho.

Hoje existem vinhos alvarinhos em todo o Portugal. Ao promovermos a casta alvarinho estamos a promover todo o Portugal. Isso não faz sentido. Temos é que o consumidor perceba que todos os vinhos de Monção e Melgaço são vinhos de excelência e, é claro, que a maior parte deles são vinhos alvarinho, ma não são todos- Há aqui rosados, há aqui tintos, há aqui aguardentes, há aqui espumantes, há aqui uma grande diversidade; há até um vinagre com denominação de origem e é preciso que o consumidor perceba que todo o vinho que vem de Monção e Melgaço é um vinho de qualidade.

A marca Monção-Melgaço é que devia ser promovida há mais tempo?

Sim. Claramente. A orientação é promover Monção e Melgaço, o território. Repare: podemos promover o território dos vinhos, mas ao mesmo tempo promover a cultura, o turismo, uma série de promoções que, em conjunto, se podem fazer nestes dois concelhos que são e estes setores: o vinho, a cultura, o turismo, o ambiente, o património, o artesanato. Em tudo isto conseguimos ganhar força. É a nossa aposta, claramente. PARECE que aqui hoje se dá um passo de gigante.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta