PROJETO GNÓMON – Escolas na Biosfera Aluna de Arcos de Valdevez ganhou concurso de banda desenhada

0 178

Ao longo dos dois anos, no âmbito do Projeto Gnómon – Escolas da Biosfera,  todos os alunos dos cinco municípios do PNPG, do segundo ciclo ao secundário (cerca de 4000 alunos), participaram em várias atividades, nomeadamente aulas em sala de aula e atividades em espaço natural incentivando-os  à criação de elementos multidisciplinares de reflexão e criatividade com a produção de trabalhos para incorporar os diversos materiais do projeto, nomeadamente um livro de banda desenhada, um caderno de campo, um jogo de cartas, um livro digital interativo, um livro científico e uma exposição itinerante.

No passado dia 14 de junho foram entregues alguns destes materiais aos alunos das três escolas do agrupamento de escolas de Arcos de Valdevez.

No âmbito do projeto foi realizado um concurso de banda desenhada, para selecionar os melhores trabalhos para integrarem o livro de banda desenhada do Gnómon. Este concurso foi realizado a nível dos cinco municípios, tendo saído vencedora uma aluna do agrupamento de escolas de Arcos de Valdevez.

Neste dia, na Casa das Artes, com a presença da Vereadora da Educação, Emília Cerdeira, do diretor do Agrupamento de Escolas, Carlos Costa, de uma representante da ADERE-PG, Rita Ferreira, e de uma representante da ARDAL, Otília Xavier, foram entregues os materiais do projeto Gnómon aos alunos e o prémio à aluna vencedora, Suzana Rodrigues, que recebeu um iphone.

O PROJETO GNÓMON – Escolas na Biosfera, foi um projeto financiado pelo programa POSEUR, com início em fevereiro de 2016 e com a duração de dois anos. A entidade promotora do projeto foi a ADERE-PG, em parceria com as cinco Câmaras Municipais do Parque Nacional da Peneda Gerês e a ARDAL.

O projeto pretendeu promover, na comunidade escolar, a preservação do património natural local, com especial enfoque no conhecimento e proteção de espécies com estatuto de ameaça, através de metodologias pedagógicas e interpretativas participativas e de contacto direto com o espaço, combinando conhecimento das ciências naturais com a antropologia. O objetivo a longo prazo é criar nestes jovens a responsabilidade e empatia perante o ambiente que os rodeia, tornando-os embaixadores dos valores patrimoniais da sua região.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta