Reportagem :: BANDA E ESCOLA MUSICAL EM MONÇÃO

MONÇÃO

A expressão musical desempenha um importante papel na vida recreativa de adultos e crianças, ao mesmo tempo que desenvolve a criatividade, promove a autodisciplina, ajuda na concentração e na autoconfiança, desperta a consciência rítmica e estética. 

A Banda Musical de Monção, que conta com cerca de 80 músicos, participa regularmente em múltiplas festividades e em todo o tipo de eventos culturais como: romarias, procissões, concertos, encontros (de Bandas), concursos, gravações, receções oficiais, homenagens e atos solenes, entre outros.

O seu presidente, João Manuel Silva, falou-nos da Banda e da Escola que conta com mais de 60 alunos.

“São crianças que entram na nossa escola, muitas vezes sem saber nada, e saem autênticos músicos”.

“A Escola de Música da Banda de Monção tem como principal missão a formação contínua dos executantes da Banda e instrução de novos aprendizes, de modo a rejuvenescê-la gradualmente.

Para além disso, o estudo da música, em grupo, e em ambiente social, melhora a autoestima das crianças, ajudando-as a enfrentar desafios e a assumir riscos. As crianças aprendem dinâmicas de trabalho de grupo, alimentando a amizade e o companheirismo, atingindo assim o bem-estar essencial para um crescimento saudável”.

NOVAS INSTALAÇÕES

No passado dia 25 de abril foi inaugurada a nova sede da Banda, no edifício da antiga estação da CP, numa cerimónia presidida pelo ministro de Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

A solenidade surgiu integrada nas comemorações do “25 de Abril” e contou com a presença de milhares de pessoas que quiseram observar as novas instalações deste antigo edifício.

João Manuel Silva esclareceu-nos que “era algo que aguardávamos há muitos anos e que, finalmente, se tornou realidade”.

“As condições são ótimas para a aprendizagem e para os ensaios da Banda. Temos uma sala de ensaios excelente, com ótima acústica, temos várias salas de aula individuais e uma sala de aula coletiva”.

Com estas instalações, o presidente não tem dúvidas que o número de alunos vai aumentar.

“No ano que findou a escola teve cerca de 60 alunos, mas, com as novas instalações, acreditamos que esse numero vai evoluir. Além disso, contamos com oito professores, de diversos instrumentos”, que dão as máximas garantias no ensinamento das crianças.

AGRUPAMENTOS

No seio da banda nasceram pequenos agrupamentos. São músicos que se juntaram e criam um grupo musical, onde todos os seus elementos fazem parte da banda.

“Quando não há concertos da banda principal, estes grupos participam em festividades, e, assim, estão sempre em atividade, o que é muito importante e muito saudável”.

Quinteto de Metais e percussão

Este visa realizar espetáculos musicais em inaugurações, eventos culturais, casamentos, etc. Elementos: trompete – João Lourenço; trompete – André Pereira; trompa- Joel Santos; trombone – João Cardoso; bombardino – Hélder Fernandes; percussão – Caio Rodrigues.

Banda Infantil

Tem em vista dar os primeiros passos para uma união musical, espiritual e acopladora. Serve também de alavanca para os jovens estudantes de música da escola ingressarem na banda sénior. No futuro, estes jovens representarão a Banda Musical de Monção (banda sénior). Essa é a sua principal motivação e crença por um objetivo comum a todos eles.

Ensemble de Clarinetes

Deste grupo fazem parte nove clarinetes da Banda: David Piñero (dirigente), João Valinho, André Regatão, Jacinta Miguel, Carla Filipa , Bárbara Rego, Inês Temporão, Renata Lourenço e Sara Vilarinho. Este grupo criado recentemente tem já um leque de atuações realizadas. Pretende continuar a crescer, dando os seus melhores contributos e fazendo levar o público à descoberta de vários estilos de música.

Grupo de Metais

O Grupo de Metais da Banda Musical de Monção foi fundado desde a chegada do maestro José Vicente Simeó (2005) e tem, como principal missão, partilhar o excelente trabalho confecionado pelos seus executantes, elevando assim o nome de Monção. Como ponto alto deste percurso, foi a atuação em França para um dos melhores trompetistas de sempre, Maurice Andres, onde foi reconhecido o talento de todos os músicos.

REGISTOS DA HISTÓRIA

O registo mais antigo que se conhece está inscrito numa ata da Santa Casa da Misericórdia de Monção, de 25 de Fevereiro de 1792, e nessa época, era conhecida por Banda de Muzica da Vila, presumindo-se, contudo, que a sua existência seja ainda anterior.

1792 Gonzallo José de Moiños, de nacionalidade espanhola, foi o primeiro maestro.

1830 já a Banda abrilhantava festividades, sendo Maestro o abade D. Lourenço, também, de nacionalidade espanhola e capelão do Palácio da Brejoeira. A Filarmónica era constituída por 15 músicos. De maestro em maestro, quer formados em Monção, quer outros contratados, civis e militares, chegou-se ao ano de 1918.

1890 foi feita a primeira fotografia da Banda da qual já faziam parte 20 músicos.

1918 passou a chamar-se Banda dos Bombeiros Voluntários de Monção, por deliberação da Direção.

1933 a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Monção deliberou, em reunião do executivo, outorgar-lhe o titulo honorífico de Banda Municipal de Monção, pelos brilhantes serviços prestados à cultura.

1945 participação na inauguração do Estádio de Futebol do Riazor, Corunha, Espanha.

1969 por força de lei, foram elaborados os seus primeiros Estatutos, e inscreveram-se os primeiros 120 sócios fundadores, passando a chamar-se Banda Musical de Monção, titulo que mantém.

1970  gravou diversos discos (maestro Miguel de Oliveira).

1971 classificou-se em 3.º lugar no Concurso de Bandas Civis de 1ª Categoria (Palácio Cristal/ Porto).

1980 a Câmara Municipal de Monção, em sessão pública, outorgou-lhe a medalha de ouro do Município pelos seus mais de 150 anos ao serviço da Cultura.

1984 gravou a sua 1ª cassete (maestro Viriato Araújo). 1996, classificou-se em 3.º lugar na participação na RTP2, programa “À Volta do Coreto”.

1998 pela declaração nº 134/98 e nos termos do Decreto-lei nº 460/77, foi declara pelo governo Instituição de Utilidade Pública.

2005 gravação do 1.º CD (maestro Prof. José Vicente).

2006 dirigida pelo maestro José Vicente Simeó, a Banda Musical de Monção foi vencedora do Concurso de Bandas Filarmónicas da Cidade de Aveiro.

2009 gravação do CD “Contrastes Sinfónicos” (maestro Prof. José Vicente).

De 1792 a 2014 conhecem-se 23 maestros, destacando-se entre outros: Gonzallo José de Moiños (1792), abade D. Lourenço(1830), Miguel Maria Pereira (1880), sargento músico Luis José Gonçalves (Mestre Luis – 1897 a 1928), sargento músico Sebastião José Passos (1928 a 1952), Óscar Ferreira, Luis Lourenço, sargento músico Manuel Ferreira Pais, Miguel António Peixoto de Oliveira (1964 a 1983), Manuel Silva Lourenço (1983), Ssrgento chefe, Viriato Carneiro Araújo (1983 a 1986), sargento chefe, Domingos José Campos Cardoso (1986 a 2003) e atualmente, professor Dr. José Vicente Simeó Mañez (desde 2003), este, de nacionalidade espanhola.

MAESTRO JOSÉ VICENTE SIMEÓ

Nasceu em Llíria (Valência), onde iniciou os seus estudos musicais com Pablo Sánchez Torella, na União Musical de Llíria, em trompete. Aí finalizou as suas primeiras aprendizagens, ampliando-os no Conservatório Superior de Música de Valência, onde atingiu o grau médio com a classificação de Excelente, com Vicente Prats.

Aos 15 anos, ingressou na Banda Municipal de Castellón como Fliscorno solista. No ano seguinte obteve o 1.º prémio no “Concurso Nacional para Jovens intérpretes”, celebrado em Valência, e ingressou na Orquestra Sinfónica do Conservatório Superior de Música de Valência. Com 17 anos entrou na Armada, como Sub-oficial Músico.

Atuou como concertista no programa de Rádio TVE “El mundo de la música”, acompanhado da Orquestra da RTVE. Finalizou o curso de Professor Superior de Trompete em Madrid com José Ortí, com a classificação de Excelente. Aos 20 anos, por concurso, ingressou no Conservatório Superior de Música de Vigo.

Foi solista convidado de várias Orquestras Sinfónicas (Galícia, Valência, Astúrias, Bilbau). Como professor lecionou cursos de Vento Metal nos Conservatórios Superiores da Coruña, Ourense, Lugo, Alcañiz, Murcia, entre outros.

Realizou cursos de aperfeiçoamento com Jan Cober, Bernardo Adam Ferrero, Rafael Sanz, Leopoldo Vidal, Guy Touvron, Jose Vicente Egea, J. Ortí, Pierre Thibaud, Hakan Handerberguer, E. Rioja, Jim Litterford, Spanish Brass.

Foi professor de trompete e música de câmara na Fundação Átrio da Música de Viana do Castelo, durante 10 anos, e no Conservatório superior de Alicante.

Como compositor, tem diversas obras para ensemble de metais, banda sinfónica e concertos para trompete e piano, ventos, etc. Alguns deles, estão gravados em vários discos no Japão e outros países, pelo seu filho, Rubén Simeó, trompetista.

Dirigiu diversas filarmónicas, destacando-se: Banda Municipal de Ourense, Banda de Tui, Agrupación Musical do Rosal, Banda Sinfónica de Alacuás (Valencia), nas quais gravou 10 discos e ganhou vários prémios em certames e concursos. Atualmente é maestro da Banda Musical de Monção (desde o ano 2003), compositor e professor superior de trompete e música de câmara no Conservatório Superior de Música de Castellón.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta