JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

0
JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

“Isto das misses é enquanto as coisas funcionarem”

Jacqueline Alves é uma jovem arcuense de 23 anos que se está a destacar, a nível internacional, em concursos de beleza. Estudante na Universidade do Minho, acaba de se classificar no TOP 10 no concurso Miss Asia Pacific, disputado nas Filipinas.  

Trata-se de uma competição que se efetua desde 1968 e é, reconhecidamente, uma das maiores competições internacionais na área. Nele participaram, este ano, 55 candidatos de todo o mundo. Antes, em 2018, foi Miss Viana e Segunda Dama de Honor Miss Queen Portugal, troféu que a levou até aquele país asiático.

A tirar o curso superior de Educação Básica, a Jacqueline confessa-nos que adora crianças e o convívio com os amigos, manifestando, ainda, o orgulho de ser voluntária na Cruz Vermelha.

Como é estar no Top 10 de Miss Asia Pacific?

Foi um orgulho ter trazido Portugal a este patamar. Já, no ano passado, a nossa representante conseguiu também o Top 10. É o segundo ano consecutivo a conseguirmos top 10 para Portugal, o que nos eleva, para o ano, possivelmente, a uma maior fasquia.

JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

Da sua parte, há sequência?

Não. O concurso fica por aqui. 

Começou a participar neste género de concursos em 2018?

Estes concursos começaram a nível distrital, com Miss Viana, que pertence ao concurso Miss Queen Portugal. Miss Viana era a fase distrital. Venci essa fase tive entrada automática para a final de Miss Queen Portugal. Nesse mesmo ano, em 2018.

Nessa final nacional consegui o lugar de 2ª dama, 3º lugar a nível nacional, o que, nesse caso, me deu entrada para o concurso Miss Asia Pacific. Fui selecionada para ser a representante portuguesa nesse concurso.

Foi a 1ª vez que participou num concurso de beleza quando foi eleita Miss Viana?

No Miss Viana foi a primeira vez. Já tinha participado noutro concurso, para outra entidade organizativa, em 2017.

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

Neste Miss Asia Pacific, uma das provas consistiu na apresentação de um projeto social de valorização das diferenças? Que projeto é esse que apresentou?

Tivemos que apresentar um projeto novo para demonstrar que o temos ou estamos inseridos nalgum. Neste caso, como sou voluntária da juventude na Cruz Vermelha, em Braga, estou no projeto Mais Atitude. É um dos projetos q trabalha com crianças e jovens em risco. Tanto as comunidades ciganas, como raparigas em lares, órfãs, uma infinidade de crianças e jovens que estejam em situações de risco.

Apresentei este trabalho que realmente faço ao longo de três ou quatro anos. Mostrei que já faço um trabalho que não decidi realizar agora por causa do concurso.

JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

ESTADIA NAS FILIPINAS

Conte-nos um pouco como foi a estadia nas Filipinas? 

Gostei muito. O povo filipino é muito amável. Mesmo em casa com eles. Tudo que falam sobre eles é verdade. Estão sempre disponíveis.

Fomos 55 candidatas de várias partes do mundo. Fiz muitas amizades. Conheci outras culturas.

Os filipinos são muitos hospitaleiros, como os portugueses. Já o país já não tem nada a ver. Por exemplo, o clima é muito quente, húmido, esteve sempre à volta dos 30 graus. A comida também é diferente. Eles comem arroz de manhã até à noite. Ao pequeno almoço, almoço, jantar, sempre…

A sua estadia foi mais em Manila ou andou por outras partes?

Tivemos que fazer a programação que eles tinham para nós. Uma vez que éramos tantos candidatas, temos de nos focar no que eles precisam que façamos. Aos patrocinadores, fazer algumas das competições preliminares que nos levaram à final… como eramos tantas, eles tinham muita segurança para connosco e estivemos sempre rodeadas de pessoas para que não houvesse problemas com fãs e todos esses que estavam lá para nos ver. Não poderíamos sair daquele círculo e daquela programação para, propriamente, termos momentos de lazer.

Mas deu para conhecer um pouco das Filipinas?

Mais ou menos ! No hotel onde estivemos, apenas os patrocinadores… Não foi muito além disso. Mas deu para perceber que é um país pobre  e com uma realidade muito diferente da portuguesa. Quer dizer, se formos a um daqueles bairros da periferia de Lisboa, a realidade é parecida. Mas, aqui onde vivo, é muito diferente. As pessoas lá vivem nas ruas, em qualquer lado.

JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

Há sempre criticos destes concursos. Dizem que só valorizam a aparência física quando haveria coisas mais importantes. Como responde a quem assim pensa? Que mais valia trazem estes concursos?

As pessoas precisam de desmistificar. Esses concursos, antigamente, eram muito à base da beleza física. Só! Hoje em dia já são feitos para que possamos dar voz à nossa opinião e aos nossos projetos. Possamos ter uma voz. Ao contrário de mostrar só a nossa beleza e de  desfilar. Muitos pensam que é isso, que continua a ser só uma cara bonita ou corpo bonito.  Que somos uma mente fechada, oca. Hoje em dia valoriza-se muito os concursos de misses; têm, todos, um lema. Este ano foi “amar a diferença”. Essencialmente, as meninas que iam para lá era com a advocacia de amar a diferença.

ESTUDAR E TRABALHAR

Em que medida este destaque no concurso mudou a sua relação com os amigos e, até, com a própria universidade?

Não muito. Tirou-me um bocadinho de tempo. Fez-me ter mais organização ainda. Já, por mim, sou muito organizada; estou a estudar e, ao mesmo tempo, a trabalhar. Também sou voluntária. Foi só arranjar mais um tempinho para isto.

Os seus amigos e colegas não a começaram a ver de forma diferente?

Não. Os meus amigos acompanham o meu percurso e estão lá para mim. Se eu não tiver um tempinho para eles agora, sabem que é para um bem maior.

E o seu namorado?

Bem.! Acompanhou o meu percurso desde o início; namoramos há alguns anos e ele só tem orgulho em mim. Também me dá forças para continuar e chegar mais longe. Ele compreende, se tiver de ficar uns dia sem estar comigo, como já aconteceu nas duas semanas em que estive fora..

A Jacqueline também trabalha?

Sou hospedeira de eventos. Trabalho em conferências, congressos, estou à porta das salas a fazer check in e uma variedade de coisas.

E os seus tempos livres?

Ora aí está a pergunta. Os meus tempos livres é com os meus amigos,  namorado e família. Ir ao cinema, tentar aproveitar em conjunto, fazer algo divertido.

JACQUELINE ALVES destaca-se em concurso internacional de beleza

Aprecia a gastronomia minhota?

Não sou muito influenciada, por acaso, pela gastronomia aqui do Minho. A verdade é que sou muito de comer massa. Qualquer prato com massa é bom.

Pratica desportos e atividade física?

Neste momento, não. Não tenho muito tempo. Só mesmo o ginásio.

As questões relacionadas com a vida pública, preocupam-na?

No ano passado, quando me candidatei a Miss Queen Portugal, o foco era representar Portugal neste concurso que escolhe a Miss Earth. Além do foco social, há também o ambiental. A preservação do ambiente era um dos temas do ano passado, por exemplo. E continua a ser este ano, neste concurso. Portanto, eu também, inclusive, fiz e continuo a fazer várias ações e tudo o que puder no sentido de consciencializar para o ambiente, limpeza de rios, etc..

SER PROFESSORA

Está a tirar curso de educação básica. Que pretende seguir em termos profissionais?

Inicialmente fu i tirar o curso por estar muito ligado à parte social. Adoro crianças, já fui educadora em anos passados, acho que ganhei esse bichinho, o que sempre quis foi isso ou professora primaria. É para isso que eu continuo a estudar. Isto aqui das misses e o meu trabalho como hospedeira é enquanto as coisas funcionarem. É um aparte!

Arcos de Valdevez é a sua terra.

Os Arcos são um sítio muito bonito, essencialmente no verão. Como é obvio, toda a gente poderá dizer isso. Traz turistas, emigrantes à terra novamente, às festas e romarias que toda a gente conhece. É disso que gostamos, da praia fluvial, das ecovias, de podermos reunir com toda a gente nessas romarias, nessas diferentes culturas. Também vêm os emigrantes. Podermos reunirmos à volta de uma festa. Divertimo-nos. Isso é os Arcos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here