Melgaço é o único concelho com lojas POP-UP no país

0
Melgaço é o único concelho com lojas POP-UP no país

Melgaço é a única terra portuguesa incluída na rede europeia Re-grow City,  liderada pela cidade alemã de Altena. Foi no âmbito desta que surgiram as lojas pop-up, um método que visa a revitalização económica dos territórios e combater a perda de população; no caso, “lutando com 30 anos de declínio contínuo”.

As primeiras duas lojas foram inauguradas no passado sábado. Recordamos a reportagem publicada na revista VALE MAIS n.º69 Outubro / Novembro.

O objetivo é, pois, a revitalização económica e passa pela ocupação provisório de espaços comerciais devolutos em centros urbanos.  Além de Altena e Melgaço, a parceria abrange Aluksne (Letônia), Idrija (Eslovénia), Nyirbator (Hungria), Manresa (Espanha), Igoumenitsa (Grécia) e Isérnia (Itália)

O projeto arranca neste mês de outubro, na vila mais a norte de Portugal, após, em finais de julho, ter apresentado o conceito e as instalações da “loja âncora”. Deverá começar com três ou quatro lojas, nomeadamente na Rua Dr. Afonso Costa e Praça da República.

Nas candidaturas aos projeto, são privilegiadas as que se proponham a horários que contrariem as horas mortas e prevejam a eventual abertura ao fim de semana. De fora, ficam as áreas cuja tutela ultrapasse o âmbito do município.

Os investidores que virem as suas candidaturas aprovadas não pagam renda durante os três primeiros meses do projeto e, se verificar que o negócio está a resultar, podem solicitar mais três meses em que pagam apenas um euro por cada metro quadrado. Findo esse período, estará já em condições de pagar uma renda aos preços de mercado, passando o apoio para quem está na lista de espera.

O arquiteto José António Lopes é o coordenador do grupo de trabalho relativo a estas Pop-Up Shop melgacenses. Este integra 14 individualidades representativas de instituições locais, incluindo a autarquia, escolas, associação empresarial, Misericórdia e Paróquia. É, pois, um processo gerido por um grupo de trabalho da sociedade civil.

Na conversa com a VALE MAIS começa por notar que o programa iniciou-se em janeiro, quando Melgaço foi admitido na parceria com aquelas sete cidades europeias.

Melgaço é o único concelho com lojas POP-UP no país

PESSOAS FORA DE MELGAÇO CANDIDATAM-SE

Em finais de julho sucedeu a primeira apresentação, na sequência da cedência do primeiro espaço, em Melgaço, ao projeto e a constituição do grupo de trabalho. Foi nessa altura que se começaram a aceitar candidaturas para o espaço. Logo na ocasião inscreveram-se 13 pessoas em pré-candidatura.

O processo vai recomeçar agora em outubro, após a análise das candidaturas já apresentadas. O júri tem estado a apreciar e a escolher os projetos que lhe parecem mais interessantes para a animação na vila de Melgaço.

“Vão ser ocupados os espaços disponíveis na vila aderentes ao programa. Vai haver um evento de lançamento com os espaços comerciais dos projetos dos particulares em funcionamento”, referiu-nos, ainda em setembro, o coordenador do grupo de trabalho.

“Há muitas mais candidaturas, inclusive de pessoas de fora de Melgaço com interesse em aderir ao programa. Temos três ou quatro lojas, e outras em processo de negociação. Os proprietários do espaço têm vindo a aderir voluntariamente ao programa. É um processo dinâmico”, sublinhou, ainda, José Antó

nio Lopes.

ARRANCAR COM TRÊS OU QUATRO ESPAÇOS

“No centro histórico, há lojas que já funcionaram como comércio e, neste momento, estão desocupadas. Em cada loja ficará um empresário, embora o projeto admita associação de empreendedores. As lojas são relativamente pequenas e o princípio genérico é o de ter um projeto de ocupação por cada pessoa”, refere.

Quanto a verbas para o projeto, garante que “é gerido, do ponto de visto do programa europeu, quase sem dinheiro. Há algum apoio financeiro da Europa, mas mais para expediente e apoiar a visita dos peritos internacionais. Está desenhado de tal forma quase autossustentável, sem investimento do município.”

A exceção tem a ver com o facto das estarem “fechadas há muito tempo, terem precisado de obras e o Município assumiu voluntariamente esse custo. O valor da renda, a ser pago nos segundos três meses, não é intenção que venha a amortizar seja que tipo de investimento for. Vai tender para ir para os proprietários da loja, como forma de agradecimento por terem cedido as lojas gratuitamente”, nota

Melgaço é o único concelho com lojas POP-UP no país

CONCORRÊNCIA TAMBÉM GANHA

Uma questão, pertinente, que se coloca é relativa à concorrência com o comércio tradicional melgacense. O facto de não pagarem renda proporciona-lhe condições diferenciadas mais favoráveis. José António Lopes garante que “não é tanto assim”.

“É uma questão recorrente. As várias cidades europeias que implementaram o programa e a minha experiência dizem-me o seguinte.  Um é de que os empreendedores destas lojas vêm com processos muito frágeis. É para quem quer começar um negócio com um risco quase zero; é muito frágil do ponto de vista comercial e não estabelece qualquer concorrência ao comércio instalado que está mais solidamente implantado. Além, o mais, provavel e serem atividades que vêm colmatar o tecido comercial local. Ou seja, que não existem no tecido local. Projetos inovadores, situações de novos produtos, coisas assim. É isso que se pretende.

Por outro lado (2ª argumento) é aquilo que é obvio para todos nós. Quando a gente está num centro comercial e quer alugar uma loja num corredor, vai com certeza escolher a que está no corredor mais ocupado. Onde passa mais gente, onde se gera mais dinâmica. Para os comerciantes é uma oportunidade e eles estão a perceber isso. Até agora, não recebi nenhuma reclamação por questões de concorrência. Nem de outro teor qualquer. Ou seja, para o comercio local isto é uma oportunidade de animação da vila, de atrair mais visitantes, criar alguma curiosidade em quem nos visita. Todos vêm a beneficiar com isso. Ganha quem está e ganha quem vem.”

Esses comerciantes vão praticar horários diferenciados? – questionámos.

“Vamos tentar que eles façam isso. Ou seja, combater um bocadinho os períodos mortos do dia. Se o comércio tradicional quiser mudar um pouco a agulha e tentar adaptar-se a essas situações que já são vulgares nalgumas cidades . . . Procurar horários um bocadinho a acompanhar a lógica do visitante. Contrariar um bocadinho vícios antigos do comércio tradicional, que tem muitas qualidades, mas também com situações que devem ser corrigidas. É um propósito deste programa.”

NEGÓCIOS SEM TUTELA EXTERNA

Há, porém, áreas que não são abrangidas por este programa das Pop-Up Shop.

“Instalar um negócio durante três meses numa loja que, se calhar, até foi ligeiramente recuperada, mas que depois pode não ter condições da ASAE lá ir e aprovar, para nós, tutela do grupo de trabalho, é inadmissível. Isto é para todos os negócios que não impliquem tutelas externas.  Por exemplo, se for dentista também não pode ser (vai ter tutela da DG Saude), se for restauração e bebidas é da ASAE . . . É só para negócios . . . digamos, inócuos.

Algum artesanato, alguma pequena fabricação, como de roupa que pode comercializar, prestação de serviços de apoio ao turismo, enfim, que sejam da exclusiva responsabilidade da tutela municipal e não tenham fiscalizações externas.”

Embora se possa admitir que existam muitos jovens entre os interessados, não há limite de idade para as inscrições. Todavia, para quem não tiver experiência na área, existe uma espécie de back up.

“A associação empresarial de Melgaço está atenta a essas questões e, de certeza, fomentará alguma formação.  Contudo, para os que se apresentam em candidatura vai ser percetível, ao grupo de trabalho, quem é que tem alguma experiência ou quem está a tentar começar um negócio pela 1ª vez. A associação vai ter um papel determinante na formação e ‘apadrinhamento’, no acompanhamento do início do negócio, na incubação deste. Está previsto algum apoio a esse nível. Mas, a título pessoal, com o empreendedor a expressar essa vontade” – garante, a concluir, o coordenador do grupo de trabalho.

Melgaço é o único concelho com lojas POP-UP no país


“Fazer diferente para atingir resultados diferentes. Um projeto de que me orgulho ter perseguido assim que o conheci e que vai deixar uma importante marca na nossa Vila… Pelo conceito agregador de todos em prol de Melgaço! Obrigado a todos os que estão no Grupo de Trabalho. Por Melgaço.”


Estas palavras, expressas nas redes sociais, mostram o orgulho de Manoel Batista, o chefe do município melgacense, pela iniciativa relativas às LOJAS POP-UP, um conceito que envolve a autarquia e a sociedade civil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here