PONTE DA BARCA DEBATEU O PRESENTE E O FUTURO DA EDUCAÇÃO

0

Decorreu no mês de novembro, em Ponte da Barca, o Colóquio “Educação: Presente e Futuro”, que contou com as presenças do Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e do Deputado, João Torres, na qualidade de oradores convidados.

A sessão que decorreu no Auditório Municipal visou a exposição das posições dos oradores quanto ao estado da Educação em Portugal e os desafios que o presente impõe na definição das políticas de Educação do futuro, bem como a auscultação das preocupações do público acerca destas matérias.

O mote para o debate foi dado a partir de um dos vários significados que a palavra Educação pode ter e que a define como um processo que visa o pleno desenvolvimento intelectual, físico e moral de um indivíduo e a sua adequada inserção na sociedade. Esta definição serviu também como ponto de partida para a discussão sobre o papel do Estado enquanto entidade promotora das várias dimensões de desenvolvimento do indivíduo.

A conversa com os oradores debruçou-se sobre um sem número de outros aspectos. Um deles foi as medidas para a Educação inscritas no Orçamento de Estado para 2017 que foram amplamente explanadas e discutidas pelo Ministro da Educação: o reforço do orçamento para a educação pelo segundo ano consecutivo, um reforço da equidade e da igualdade de oportunidades, a universalização do pré-escolar, a gratuitidade dos manuais escolares para os alunos do 1º ciclo já em 2017, o reforço das competências das escolas, a criação de um plano de promoção do sucesso escolar, de políticas de juventude mais eficazes e da promoção real do desporto. Segundo Tiago Brandão Rodrigues, “a dotação para o ensino pré-escolar, básico e secundário é reforçada pelo segundo ano consecutivo invertendo a quebra registada com último governo”.

Foi também abordada a questão das vias de ensino profissional e da oferta a esse nível. Constata-se que a oferta é crescente e que tem havido um grande esforço para a inserção de alunos na vertente profissional. Neste sentido, o Ministro refere que é objetivo do governo ter “50% dos alunos no ensino profissional”, estando já mais de 40% nessa via. O ensino profissional foi também debatido sobre o ponto de vista do preconceito e estigma que o alunos que frequentam este tipo de ensino ainda enfrentam e foi reforçada a noção que o ensino profissional é, também ele, regular. Neste âmbito foi também indicada a falta de apoios ao ensino artístico.            Por outro lado, abordou-se a questão da educação sexual que, segundo João Torres, “é um processo que necessita ser melhor conduzido porque não existe actualmente uma estratégia concertada para a educação sexual nas escolas”. Outras questões foram levantadas pelo público como a formação para a cidadania que ambos os oradores assumem como formação indispensável para as novas gerações. Os oradores foram ainda questionados sobre a estabilidade do sistema educativo e forma como a mudança de metas pode condicionar docentes e alunos, bem como sobre a autonomia que é dada aos Professores, a forma como a Educação mudou nas últimas décadas e o tempo que as crianças são obrigadas a passar na escola privando-as, muitas vezes, de tempo para brincar e para actividades extra-curriculares.

O colóquio foi organizado pela Juventude Socialista de Ponte da Barca em colaboração com a Federação Distrital da JS Alto Minho e a concelhia da JS de Arcos de Valdevez. Este evento enquadra-se num rol de iniciativas abertas a toda a comunidade que a JS barquense tem vindo a levar acabo com o objetivo de promover o diálogo e o debate sobre questões centrais para a sociedade Portuguesa e para a região do Alto-Minho em particular.

Este colóquio, em concreto, resultou numa sessão de esclarecimento e debate profícua entre oradores e  público, resultado da elevada afluência popular ao evento, e que determinou o sucesso da iniciativa em debater questões da maior importância para a qualificação dos portugueses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here