Rally de Portugal :: Caminha com retorno superior a 3 milhões de euros

CAMINHA

0

Traçados do Alto Minho renovados

Decorre de 18 a 21 de maio mais uma edição do Rally de Portugal que este ano cumpre 50 anos.Várias iniciativas comemorativas estão a ser ultimadas numa organização do Automóvel Club de Portugal, em estreita colaboração com o Turismo do Porto e Norte de Portugal e as 13 câmaras municipais.

História do Rally de Portugal

Fundado em 1903, o Automóvel Club de Portugal (ACP) desde sempre chamou a si a organização das mais importantes competições dos calendários internacionais.

Não admirou, por isso que, em 1967, tivesse levado para a estrada a primeira edição do Rally TAP, competição que rapidamente granjeou enorme prestígio internacional a ponto de, seis anos depois, ter feito parte do primeiro Campeonato do Mundo de Ralis.

Ao longo da sua história, o Rally TAP, e mais tarde o Rally de Portugal, escreveram páginas de sucesso no palmarés do Mundial, a ponto de ter sido considerado por cinco vezes o “Melhor Rally do Mundo” e em 2000 ter sido distinguido com o prémio de “Rali com Melhor Evolução do Ano”.

Depois da decisão da FIA em retirar a prova do calendário do Mundial, os responsáveis do ACP não deixaram de apostar no regresso do Rally de Portugal ao escalão máximo, o que foi conseguido em 2007, tendo as estradas do Algarve por cenário.

Fruto da rotação das provas no calendário do Mundial, o Rally de Portugal esteve ausente do WRC em 2008, mas voltou em 2009 ao convívio dos grandes eventos internacionais.

Após dez anos no Algarve e Baixo Alentejo, sete deles como jornada incontornável do calendário Mundial, e mais de uma década depois da última visita do Campeonato do Mundo à região de Entre Douro e Minho, o Vodafone Rally de Portugal regressou ao Norte do País em 2015 oferecendo às atuais estrelas do WRC a oportunidade de sentirem na primeira pessoa todas as emoções e exigências que tornaram mítica a prova do ACP.

Alto Minho reforçado

Dia 19 de maio, o primeiro verdadeiro dia de competição do Rally, apresenta-se com uma etapa totalmente revista na qual apenas a designação das classificativas do Alto Minho permanece inalterada.

Viana do Castelo passa a ser o primeiro troço da Etapa, surgindo numa nova versão, com a extensão aumentada de 18,7 km para 26,7 km, aproveitando o essencial da variante anterior e acrescentando três novos sectores com uma extensão global de 10,9 km. O acesso ao novo início do troço é feito através da espetacular subida de Santa Luzia, enquanto o final estará instalado pouco antes de Afife.

A classificativa de Caminha, com uma extensão de 18,1 km, passa a ser disputada em sentido contrário àquele que foi utilizado nas duas últimas edições do Rally – com o início perto da povoação de Senande, junto ao acesso à capela de Santo Antão, e final imediatamente antes da ponte de Saim, nas proximidades de Orbacém.

Do mesmo modo, é invertido o sentido do troço de Ponte de Lima (27,5 km), passando a partida a fazer-se próximo da Montaria e o final à entrada da EN201, próximo de Ponte de Lima.

Com a dupla passagem por estas três classificativas, a etapa de sexta-feira propõe 144,5 km de troços, o que representa mais 16 km em relação às edições anteriores.

Dia2_final2_8

CAMINHA COM RETORNO ECONÓMICO

A edição 2016 do Rally de Portugal assegurou ao concelho de Caminha um retorno económico direto entre os 3.100.000€ e 3.450.000€, relativo a despesas de adeptos e equipas.

A conclusão consta do estudo de Impacto Direto do WRC Vodafone Rally de Portugal na Economia do Turismo, análise à escala municipal de Caminha, da responsabilidade do Centro Internacional de Investigação em Território e Turismo da Universidade do Algarve (CIITT-UALG).

A equipa de investigadores, coordenada pelo professor Fernando Perna, realizou um estudo da edição 2016 no Norte de Portugal, ao longo de 10 meses, entre janeiro e outubro de 2016. Para os investigadores, não há dúvida de que “o concelho de Caminha tem no WRC Vodafone Rally de Portugal 2016 um instrumento estratégico de marketing turístico que concretiza o seu contributo ativo para a prossecução de quatro objetivos regionais”.

São eles, segundo este estudo, “aumentar a atratividade do destino e elevar os seus níveis de notoriedade; harmonizar e consolidar transversalmente a qualidade da oferta; melhorar os indicadores do turismo e reduzir assimetrias entre os destinos e estimular o espírito colaborativo entre os stakeholders para a adoção de uma abordagem alinhada ao nível do desenvolvimento e promoção do destino”.

O estudo do Centro Internacional de Investigação em Território e Turismo da Universidade do Algarve sublinha a importância da aposta no Rally de Portugal e garante: “prestes a comemorar os 50 anos do primeiro Rally de Portugal, o WRC Vodafone Rally de Portugal consolida-se como o maior evento realizado no país desde a Fase Final do UEFA EURO 2004, assente na excelência da sua capacidade de criar e disseminar efeitos sobre o território”.

A passagem do Rally no concelho tem permitido também realizar obras que melhoram significativamente a vida das populações, sobretudo da Serra d’Arga, de que é exemplo a beneficiação dos caminhos florestais, mas também o incentivo às associações e à economia local, assim como a visibilidade que essas freguesias conseguem a nível internacional.

Recorde-se que o Rally de Portugal de 2016 teve um impacto na economia de 129 milhões de euros e foi a prova de maior audiência televisiva no campeonato do mundo, conforme revelou recentemente Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal.

Calcula-se que o Rally de Portugal tenha tido um impacto de 990 milhões na última década.

ASSITA EM SEGURANÇA

Com base na experiência recolhida durante a última edição do Vodafone Rally de Portugal, a organização preparou várias Zonas Espetáculo, repartidas pelos três troços, para que possa ver e sentir as emoções dos ralis em áreas amplas, devidamente preparadas para o efeito e sempre em segurança.

De salientar que a edição 2017 do Rally de Portugal volta a contar com várias Zonas Espetáculo de grande extensão, como é o caso, por exemplo, das Especiais de Viana do Castelo e Fafe, cada uma das quais oferece uma ZE com mais de 1,2 km de extensão.

Na generalidade, o acesso às ZE do Rally de Portugal só será possível a partir de uma hora definida em cada caso, normalmente cerca de 5 horas antes da passagem do 1º concorrente, o que permitirá uma deslocação tranquila do público para o local do espetáculo.

VIANA DO CASTELO 2000

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here